segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Livros de Roger Bottini Paranhos


Um ser de luz volita, sem asas, e desce das esferas superiores ao Plano Terrestre, em missão transcedental.
O próprio Dirigente Planetário, Jesus, o envia. Objetivo: promover o Universalismo, aproximando religiões antagônicas, rumo à unidade de crenças prevista para o Terceiro Milênio.
Ele conquista seguidores. Multidões o escutam. Seu toque cura enfermos, levanta paralíticos; transforma espíritos trevosos. Seu olhar cativa os corações. Será um anjo?
Em plena época da Transição Planetária que estamos vivendo, Gabriel é o Mensageiro da transformação religiosa programada para o planeta Terra. E, pela cronologia desta obra, encontra-se encarnado atualmente.
Mas quem é Gabriel? Um anjo?
O leitor poderá tirar as próprias conclusões acompanhando sua trajetória, nesta obra instigante e de cunho profético. Dos cenários paradisíacos de uma comunidade de luz aos quadros dantescos de uma cidade trevosa do astral, da vida na matéria à preparação das caravanas de exilados que migrarão para um planeta inferior, Gabriel encarna a presença da Luz Crística.


Mentalidade aquariana é a visão nova para velhos problemas. Sob o signo de Aquário, indo além da superfície, traz informações de vanguarda, sem o convencionalismo comodista, sobre diversas facetas de alguns dos problemas que mais afligem os homens do planeta.
Unidos em torno de Hermes, instrutor do antigo Egito, um grupo de entidades – Shien, o extraterrestre; Gaijin, o curador silencioso; Crystal, a princesa de olhos de ametista; e Ramiro, auxiliar do doutor Bezerra de Menezes – participam de singulares experiências de auxilio e pesquisa no plano astral. Acompanha-os o autor encarnado, que se torna o relator das fascinantes vivências, que vão do Astral Superior às regiões das trevas.
Junto com eles, o leitor irá descobrir como está se processando, no Astral, a seleção dos que serão os próximos exilados do planeta, e a marca que os identifica; estudará intrincados processos obsessivos, como os de vampirismo, através de ovóides, e a atuação dos implantes eletrônicos; acompanhará três adolescentes usuários de drogas e seus parceiros desencarnados numa história que mostra o avesso chocante, mas verdadeiro, da drogadição; e visitará os vales das sombras e hospitais astralinos, onde um repertório de casos extraordinários ilustra os mecanismos cármicos em ação.
Conhecerá ainda os modelos dos futuros corpos que a humanidade aquariana e subseqüente irá envergar — já programados e existentes em instituições do Astral Superior. Saberá de Shien, muito sobre os visitantes extraterrestres do planeta. E assistirá com o autor ao encontro, numa assembléia nas altas esferas, com Mestre Saint Germain, o responsável pela instrução do planeta Terra na Era de Aquário.
Para os que desejam ir além do já conhecido, as informações inovadoras desta obra se caracterizam como precursoras do ecletismo universalista da Nova Era.


Atlântida - No Reino da Luz é um livro revolucionário sobre o continente perdido, tema que fascina a humanidade desde os enigmáticos relatos de Platão, Timeu e Critias. Com uma nova abordagem, sem paralelo na literatura espiritualista, o autor apresenta neste primeito volume o final da era de ouro da sociedade atlante, momento em que espíritos exilados de Capela, a “raça Adâmica”, chegam à Terra para iniciar o seu processo de resgate espiritual.
Aqui é descrito o fabuloso domínio dos atlantes sobre a energia Vril, o quinto elemento, que lhes permitiu adquirir, há 12 mil anos, avançado padrão tecnológico, muito superior ao de nossos dias. É relatado ainda o trabalho desse povo no desenvolvimento da raça humana, quando, com o uso da engenharia genética, aprimoraram corpos de antropóides, com o objetivo de tornar o mundo primitivo apto a receber a encarnação de espíritos mais evoluídos.
Como pano de fundo, os leitores acompanharão os dramas de consciência dos sacerdotes do Vril da nova geração, os atlantes-capelinos, que sofreram a sedução do poder e dos caprichos típicos das almas ainda escravizadas pelos desejos humanos, levando-os a quedas constantes no processo de desenvolvimento moral.
De forma clara, objetiva, e com a maestria de sempre, Roger Bottini Paranhos conduz uma narrativa envolvente, que proporciona aos seus leitores preciosos detalhes de uma época que permanece viva no inconsciente coletivo da humanidade.


A época de ouro dos atlantes havia chegado ao fim. As novas gerações, movidas pela ambição e arrogância, intensificaram o ódio entre as duas raças rivais – branca e vermelha –, agravando a guerra liderada por Gadeir e Atlas, que levou ao desfecho apocalíptico da Atlântida, narrado aqui de forma eletrizante. Os magos negros de ambas as raças decidiram então utilizar-se do quinto elemento, através da força inversa do Vril, para deflagrar intensos duelos, enquanto os exércitos convencionais lutavam homem a homem, nos campos de batalha.
Revelações sobre o trabalho dos magos negros atlantes no desenvolvimento do Sol Negro – a terrível bomba de antimatéria que tornou-se uma das obsessões de Hitler e do partido nazista durante a Segunda Guerra Mundial e desembocou na construção da bomba atômica americana que destruiu Hiroshima e Nagasaki –, a grande batalha travada entre magos negros e dragões, para definir quem regeria o Astral inferior da Terra após a submersão da Atlântida, bem como os fatos daí decorrentes que deram origem às famosas lendas dos vampiros e demônios, são detalhados nesta obra de forma brilhante e elucidativa.
Além destes temas empolgantes, o leitor é brindado com informações importantíssimas sobre a mudança que ocorrerá na frequência vibratória de nosso planeta em 21 de dezembro de 2012, data em que a Terra entrará definitivamente na Era da Luz.
Em Atlântida – no reino das Trevas, perceberemos que nada foge ao controle onipresente de Deus. Que tanto a luz, como as trevas, trabalham em seu Augusto Nome, promovendo o progresso espiritual da humanidade. São apenas as duas faces de uma mesma moeda.


Um livro profético que procura preparar a humanidade para a visão espiritual do futuro: a busca consciente de espiritualidade, em oposição à submissão religiosa atual que escraviza ao invés de libertar.

Adotando uma metodologia simples e filosófica o autor nos apresenta a idéia central que procura unir os ensinamentos de todas as religiões e propõe um mecanismo evolutivo para que ela se mantenha sempre atual e dinâmica.

Em desdobramento espiritual, ele visita as esferas espirituais superiores e as regiões sombrias do Astral inferior para obter a opinião dos mestres de luz e dos magos negros sobre o universalismo crístico. Em uma segunda parte, narra a ação dos precursores da Nova Era para implantar na Terra a visão espiritual do terceiro milênio, com uma leveza e idealismo emocionantes.

Como diz Hermes no prefácio: “Todo aquele que deseja ser livre e busca a verdade por suas próprias mãos, que nos siga nas próximas páginas...”.



No limiar da Nova Era, a Espiritualidade nos presenteia com mais essa belíssima obra literária de Hermes, convocando-nos a profundas reflexões.

Revivendo e corroborando as inesquecíveis revelações trazidas à luz do mundo físico por Ramatís ou nos brindando com instigantes revelações nas diversas áreas do conhecimento científico, a exemplo da clonagem e da engenharia genética, o autor disserta com maestria, em linguagem clara e acessível ao leitor atual, sobre os mais variados temas que intrigam a humanidade nesse delicado momento de transição para um mundo melhor, renovado, de paz, de harmonia e amor.

Em "A Nova Era - Orientações Espirituais para o Terceiro Milênio", o leitor que busca aprimoramento encontrará interessantes esclarecimentos para indagações sobre assuntos atualíssimos nas áreas da medicina, filosofia, sociologia, religião, educação, mediunidade e existência de Deus, segundo a ótica do Mundo Maior.



Este livro conduzirá o leitor numa fantástica viagem ao passado, desvendando a verdade que se oculta atrás de fatos que a História pouco registrou.

Akhenaton, à sua época, foi a oportunidade divina para compreensão do deus único de amor e fraternidade. Implantou verdadeiros conceitos cristãos como a caridade, a igualdade entre homens e mulheres qualquer que fosse sua condição financeira e social e decretou o fim da escravidão.

Suas decisões provocaram a ira dos sacerdotes que detinham o poder, ocasionando lutas intensas no campo político e espiritual.

Akhenaton e Nefertiti protagonizaram ainda, uma grande história de amor, valorizando o papel da família na construção de uma sociedade mais digna e justa.

Impressionante por sua mensagem filosófica-espiritual, esta obra mediúnica retrata com fidelidade a trajetória do mais brilhante e enigmático faraó, Akhenaton, que muito além de seu tempo revolucionou o Egito.



Depois de “Akhenaton A Revolução Espiritual do Antigo Egito”, Radamés retorna agora como Natanael, chefe de uma das doze tribos de Israel, para dar continuidade aos relatos da saga da implantação do monoteísmo na Terra.

Com a mesma riqueza de detalhes da obra anterior, o autor a narra os fantásticos acontecimentos que precederam o êxodo dos judeus à Terra Prometida, numa linguagem clara e desprovida de simbolismos, ao contrário do que acontece nas descrições dos textos bíblicos.

Neste novo livro, Natanael apresenta-nos Moisés como um homem determinado e intransigente, que utilizava o seu incrível poder mental para fazer cumprir a vontade de Deus na Terra, porém, ao mesmo tempo, amoroso e sereno com aqueles que se demonstravam sinceros. Essa personalidade marcante, meio humana meio divina, assombrou faraós e certamente instigará o leitor a querer saber mais sobre a vida e obra do Grande Profeta, cuja mensagem é padrão de conduta moral até hoje.


Israel estava livre! Depois da fantástica demonstração do poder de Deus, por meio das dez pragas do Egito, Moisés finalmente conduziu o povo cativo aos braços da liberdade. Porém, ainda era preciso transformar aquele povo fraco e sem valores morais na primeira nação monoteísta da humanidade. Para isso, o profeta teria de realizar longo trabalho de renovação cultural, a fim de que seu povo não pisasse o solo da Terra Prometida com pés impuros. E, utilizando-se do mesmo pulso de ferro com que dobrou o poderoso faraó Merneptah, ele subjugaria os rebeldes e enalteceria aqueles que compreendessem a mensagem do Deus Único, ainda que para isso levasse o tempo de uma geração.

Essa profunda transformação por que passou o povo israelita, durante anos no deserto, até alcançar os verdadeiros valores da alma, é narrada aqui de forma clara e incontestável. Que o leitor se envolva profundamente com a mensagem trazida do Alto e use-a em sua reforma íntima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário